sexta-feira, 15 de maio de 2020

Bom senso das organizações de corrida

Nos últimos dias, já com mais segurança que há umas semanas atrás e em pleno desconfinamento, começam a aparecer algumas iniciativas e decisões quanto aos futuro das provas.

Já vi várias opções quanto às provas deste ano:

- canceladas com devolução da inscrição
- adiadas para 2021
- adiadas para o 2º semestre
- as três opções acima combinadas ou a opção de das duas delas.

Em todas pareceu-me haver bom senso das organizações. Porém, fiquei surpreendido com a decisão da Run Porto relativamente à Corrida do dia Pai. A organização resolveu enviar para casa dos inscrito, a t-shirt e a medalha, não possibilitando nem o reembolso (que compreendo) nem o adiamento.
O que devia ter feito era dar a opção: ou enviar para casa o kit ou em diferir para 2021 a inscrição entregando o kit de 2020. Todos perceberíamos e seria justo. O argumento dos custos incorridos esbate-se na imposição da opção que a organização pareceu a que melhor representava os seus interesses.
Não concordo! Não houve bom senso.

Surgem também corridas solidárias. 
Os "Kilometros em Casa" foi a iniciativa mais participada, surgindo outros como a "Corrida para a Vida" e a "Maratona Virtual Solidária". Esta última da Run Porto foi a única que impôs donativo mínimo (e logo 10€) . Não sei o que passa com esta empresa, mas não concordo mais uma vez. Não irei participar. Não é pela causa, é pela imposição de valor.

Esta semana surgiu um novo conceito: corridas virtuais gratuitas. Um série de desafios de distâncias semanais, com a particularidade de não haver "kit", mas os patrocinadores darem uns brindes aos participantes. Todos podemos participar, cada um faz onde quer e pode-se partir as distâncias ao longo dos dias. Muitos parabéns às marcas que associaram a este desafio inclusivo: EDP, Vodafone, Luso, Jogos SC, Renault, CME e Mimosa.
Acredito que muitos adiram por terem esta "cenoura".

Não sei se em 2020 vamos correr todos juntos novamente. Para já não, mas a situação muda muito rapidamente.

Sem comentários: